RSS
Imagem

Como perder o meu Voto

Como perder o meu Voto

 
1 comentário

Publicado por em julho 20, 2012 em Uncategorized

 

Tags:

Manifesto de um Andante: Como se “enfantasmar” uma cidade!

Como de costume, vagando pelas noites de Pedra Azul, estalou-me uma reflexão: A noite, percebe-se a clara inversão de valores nos dias atuais em nossa cidade (e no país). Sendo mais detalhista: Sempre fui companheiro das noites. Quando moleque por traquinagem, quando adolescente por solidão e agora jovem por necessidade ou reflexão… E nesse curto espaço de tempo, não só em mim, mas nas ruas da cidade as mudanças são perceptíveis…

Sem alma, Pedra Azul não vive a noite, apenas vegeta… não a vivência da boêmia, mas o cumprimento do direito de ir e vir. As pessoas acuadas, estranhas e amedrontadas, quase nunca saem de casa. Não éramos assim!

A conversa na porta de casa, o abraço do vizinho, os pés sujos das brincadeiras de crianças , eram costumes a noite, que já não são mais rotina por aqui!

Além de toda a comodidade da Vida moderna (Televisão, internet, videogame, DVD), o que nos tirou das noites? É fato, e explicável: Estamos assistindo passivos , a violência, as drogas e outros fatores nos encurralarem e tomarem conta dos espaços que são nossos em nossa cidade. Não somos nós que temos que ser expulsos dos nossos hábitos, mas estas práticas!

Nossas estadias nas janelas, agora se resumem a simples “olhadelas” pelo feixe para ver qualquer barulho suspeito no meio da rua… Nossos enfeites, são grades, cercas elétricas e cadeados cada vez maiores e nossa música tem sido qualquer barulho suspeito que nos amedronte. Estamos nos prendendo (Estranho e contraditório isso, NÉ?).

Os poucos que aventuram-se nas ruas a noite, por qualquer outra prática que não seja ilícita, quase nunca  vêem a lua nascer na Serra e percorrer quase toda a cidade, pois por questão de sobrevivência tem que olhar com medo para qualquer ser vivo que passar.  Assim, aquele clima comum de hospitalidade e companheirismo das noites, já não ronda mais por aqui!

E como um balão de festa furado, fui vendo a noite de nossa cidade se esvaziando e tudo se tornar mais frio e solitário!

Cada qual entende e faz a segurança sua e de seus entes da forma que lhe for mais apropriada, correta e segura; mas eu me recuso a ter que me retirar das ruas e das noites (Não por radicalismo, mas por questão de direito mesmo). Se temos que nos prender em algum lugar que seja na Câmara dos Vereadores, no gabinete do prefeito, ou nos espaços de formulação de políticas públicas, para cobrar um sistema de Segurança Pública efetivo; E quando falo Segurança Pública, não estou falando de meia dúzia de polícias fazendo ronda. Mas um trabalho que vá desde a prevenção ao combate…

Somos um povo livre?

Seremos sempre aquilo que construímos… E deixaremos aquilo que for construído! E o que temos deixado é o sentimento de impotência diante disso tudo!

 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 20, 2012 em Uncategorized

 

Tags:

Caminhos do Vale: povo faz campanha para asfaltar estradas intermunicipais

Pela internet, mais de 5 mil pessoas participam de página no facebook e lançam abaixo-assinado eletrônico.

Em campanha pela internet um grupo de internautas foi provocado por lideranças do movimento juvenil de Pedra Azul, em abri passado. Eles propuseram criar um movimento pelo asfaltamento das estradas intermunicipais que travam o desenvolvimento da região. Chamaram o movimento de Caminhos do Vale.
Foi criada uma página no facebook. Várias pessoas foram aderindo, pouco a pouco. Clique aqui e acesse: https://www.facebook.com/groups/caminhosdovale/doc/324827370926971/. Em pouco mais de um mês, mais de 5 mil pessoas debatem diariamente a situação da estradas que formam os Caminhos do Vale.
Hoje, sexta-feira, 01 de junho, o grupo registrou uma Petição Pública, abaixo-assinado que será entregue ao Governo de Minas Gerais, reivindicando o asfaltamento de vários trechos.
Ao
Governo de Minas Gerais
Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas
DER – MG Departamento de Estradas e Rodagens de Minas Gerais
O Vale do Jequitinhonha é uma região rica em minerais, cultura popular e belezas naturais. O povo do Jequitinhonha é uma gente sábia e guerreira, que já confiou seus sonhos a muitos representantes políticos e os viram transformados apenas em votos. Votos que não se reverteram em compromisso com uma nova realidade de desenvolvimento social, educação, acesso e igualdade.
Com tanto potencial e riqueza, ainda é descrito mundialmente como o Vale da Miséria e segue carente das mudanças de que precisa para assumir sua vocação humana e de região singular. Este é, também, o caso das estradas MG que unem as cidades do Vale.
Exausto do descaso das classes dominantes e sedento de um desenvolvimento sócio-econômico, o povo do Vale do Jequitinhonha, aqui representado pelos signatários desta petição, o convida a conhecer e participar desta luta, que resultará em mais respeito e dignidade a esse povo.
Afinal, a luta é de todos aqueles que desejam um Brasil menos desigual.
Solicitamos-lhe: assine a nossa petição!
Grupo Caminhos do Vale
Relacionamos abaixo as estradas de chão batido ou “carreros” que os “mineiros” dos Gerais, em pleno século XXI, precisam enfrentar todos os dias, em busca das suas aspirações mais diversas:

No Alto Jequitinhonha:

MG 214 – Senador Modestino Gonçalves-Itamarandiba-Capelinha; MG 211 Setubinha-Capelinha; MG 217 Água Boa-Malacacheta; Minas Novas-Jenipapo de Minas; Minas Novas-Leme do Prado; Chapada do Norte-Leme do Prado; Santo Hipólito-Monjolos-Diamantina.

No Médio Jequitinhonha:
Araçuaí-Novo Cruzeiro; Virgem da Lapa-Lelivéldia-Ijicatu (José Gonçalves de Minas); Berilo-Lelivéldia-Grão Mogol; Berilo-José Gonçalves de Minas; Rubelita-Comercinho; Itinga-Comercinho; Itaobim-Estiva;; Coronel Murta-Virgem da Lapa; Barrocão (Grão Mogol)-Adão Colares (Botumirim)

No Baixo Jequitinhonha :
MG 105 – Jequitinhonha-Pedra Azul ; MG 406 – Almenara-Pedra Azul; Pedra Azul-Mata Verde; Águas Vermelhas-Cachoeira do Pajeú, Taiobeiras-Fruta de Leite; Mirandópolis -Curral de Dentro; MG 406 – Rubim – Rio do Prado; Mata Verde – Divisópolis ; Jordânia – Salto da Divisa ; Bandeira – Macarani BA; Palmópolis – Jucuruçu – BA; Águas Vermelhas – Berizal; Rubim – Santo Antônio do Jacinto

Lavar as mãos, é omissão…. Assine a petição:

 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 9, 2012 em Uncategorized

 

Rir e Pensar

 
Deixe um comentário

Publicado por em maio 11, 2012 em Uncategorized

 

Tags: , ,

Violência: De…Bater!

Causada por diversos fatores, a violência já é considerada pela Organização Mundial de Saúde, um dos grandes problemas da Saúde pública. Para se ter uma ideia, cerca de 6% do PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, são gastos de alguma forma com este fenômeno.
São inúmeros os debates a cerca do tema, sem conclusões satisfatórias. Voltado para o âmbito juvenil, o debate se torna ainda mais amplo. Sem rigores técnicos, vamos debater alguns fatores que precisam ser levados em conta nestes debates.
Em Pedra Azul, a situação não é diferente das demais regiões do país. Segundo dados do HEFA (Hospital Esther Faria de Almeida ), foram notificados 131 casos de Violências, que deram entrada nesta instituição. Estamos no quinto mês deste ano e já foram notificados 96 casos, valor igual a todo ano de 2009… Mas qual o motivo de tanta violência?
Nascemos e crescemos em uma sociedade que cultua a violência conscientemente e inconscientemente. Onde o herói do filme que assistimos, é o que mais assassina. O game mais vendido é aquele que se ganha matando mais pessoas e o personagem mais engraçado é aquele que agride fisicamente e psicologicamente os demais.
Outro ponto. A Violência é um fenômeno Social, portanto possui relações com outros fenômenos sociais: Educação, Saúde, Alimentação Lazer, Infraestrutura Urbana, etc… A ausência de políticas públicas satisfatórias para atender a estas necessidades da população mais carente (lugar de maior incidência de casos de violência), já é em sua totalidade uma grande violência, e ao mesmo tempo causador de outros tipos de Violência.
Combater os tipos de violência é outra tarefa um tanto quanto árduo. Entendo o sistema de segurança extremamente reativo, na ideologia do “Olho por Olho”. Os nossos governantes, vem entendendo combate a práticas violentas, como “polícias armados até os dentes”, “Câmeras de segurança”, “Caveirão e carros blindados no meio da rua”. Práticas que na sua maioria, mais prolifera do que combate.
Simplificando. Violência não é questão de caráter: Bem contra ou mal e precisa ser analisado em um contexto mais amplo. Aumentar o acesso da população a políticas básicas satisfatórias: Educação, Alimentação, Saúde, infraestrutura, justiça, ect… é, somado a outros fatores, uma grande porta de saída para o problema.
O certo é que o tema tem entrado nas pautas dos logradouros públicos e gerados debates. (apenas debates. Tecer opiniões é sempre o mais fácil a fazer…)

 
Deixe um comentário

Publicado por em maio 2, 2012 em Uncategorized

 

Ano de Eleição: Tempo de mudanças, principalmente de postura

2012: Ano das eleições municipais que elegerão os futuros governantes dos municípios nos próximos quatro anos. Tempo de debates, plenárias populares, planos de governos bem elaborados e discussões sadias de propostas da melhoria da qualidade de vida da população??? Deveria. Mas está bem longe disto.
Mas este discurso de políticos ladrões, falatórios falsos e promessas, na minha visão apesar de verdadeiro, começa a ficar repetitivo e ultrapassado. Vamos olhar para outro ponto: De que forma o brasileiro encara uma eleição?
A época em que senso crítico e poder de debate dos brasileiros deveriam aguçar, se torna a temporada dos discursos vazios, das brigas sem fundamentos, das mentes pequenas e dos olhos com cabrestos. O termo “Política” tem sido visto como algo sujo, que já traz a corrupção, impregnada em si. E partindo deste ponto, muitos tecem o discurso: “Tanto faz em quem eu irei votar. Se iram roubar do mesmo jeito, que diferença faz?”. Daí nasce o voto comprado, o voto no amigo, o voto no parente. Todos estes responsáveis pela educação precária, saúde insuficiente e tantos outros problemas.
Será mesmo normal? Trabalhar exaustivamente, dá parte do fruto deste trabalho pro governo e aceitar facilmente que alguém se apodere disso de forma ilícita sob um ar condicionador? Parece-me um tanto quanto ignorante, para um país que se diz em constante evolução.
A corrupção existe nos logradouros públicos. Isso é fato. Mas a força impulsora para que isso continue, com certeza é “o tanto faz” de muitos brasileiros na hora da eleição. “Não se pode escolher qualquer namorado, e esperar a qualquer custo um bom marido”. A mudança de um país, passa antes de tudo pela transformação de mentalidade de um povo. Isso vale para nossa cidade. Isso vale para nossa região.
Novamente repito. 2012 está aí, trazendo consigo as eleições. Se realmente você acredita que a eleição não vai mudar muito coisa, então não espere que o país mude, como que num passe de mágica.
Longe de nomes, símbolos e partidos, uma coisa nos parece óbvia: Uma revolução começa antes de tudo, dentro de nós mesmos.

 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 5, 2012 em Uncategorized

 

Pedra Azul: Coisas de arrepiar o cabelo

Não é preciso usar gel. Nossos cabelos arrepiam-se apenas de presenciar algumas situações em Pedra Azul:

1 – Explorando… Literalmente: Poucos sabem. Pedra Azul possui uma das maiores jazidas de grafite do mundo. A Nacional de Graffite (empresa paulista), uma das maiores empresas mundiais do ramo, tem a maioria da sua produção advinda de nossa terra. Em troca, o que Nacional de Grafite tem feito por nossa cidade, além de uma pequena (bem pequena) geração de emprego e pequenas doações a entidades? Simplesmente nada. Os caminhões descem cheio, para suprir as capitais (e manter a imponente sede em SP) e voltam vazios, como os investimentos feitos no município.

2- Brasileiro é pra ser feliz…. Não inteligente: Vejo todo ano a movimentação que se forma em torno do Carnaval em diversas cidades do Vale do Jequitinhonha, assim como no país. Como dizem está no “sangue do povo brasileiro”, a folia e a festa. Mas o que poucos param para reparar são os altos investimentos que são feitos nestas festas, enquanto bibliotecas públicas, Centros de Cultura Regional (que em algumas cidades nem existem) se deterioram, sem que haja nem uma manifestação popular. Pedra Azul se insere neste contexto.
OBS: Não sou contra o Carnaval, sou contra o descaso com a educação e cultura do nosso povo. Carnaval são apenas 04 dias, o descaso com áreas que merecem atenção primária, tem sido constante!

3 – Isto cheira mal (ou Fede)! Essa é demais. A população de Pedra Azul terá que pagar uma taxa de 40% na Conta Água, advinda do Sistema de Saneamento Básico. Mas o que chama atenção nisto? Primeiramente, o valor exorbitante do imposto. Segundo, a maioria da população pagará por um serviço, que nem sequer dispõe…. É isto mesmo! Muitos pagaram por uma rede de esgoto que ainda será construída. E por último, o desconhecimento de alguns vereadores a cerca do assunto. Em um debate sobre o tema que aconteceu em um dos bairros da Cidade, ficou claro que nem deles sabe ao certo o que está sendo cobrado (Percebe-se isto pelo desencontro de informações dadas pelos mesmos). O certo é que foi aprovado uma Lei na Cãmara Municipal que concede a COPASA a administração da Rede de Esgoto durante 30 anos. Detalhe: A estação de tratamento de esgoto ainda não é nada mais que um simples projeto!

4 – Mudança com as mesmas peças? Como em todas as cidades do país, em Pedra Azul começam as especulações sobre os possíveis candidatos ao cargo de prefeito municipal. Nas redes sociais, pedrazulenses de diversos setores sociais pedem mudança, não só partidária, mas de postura. Mas os nomes especulados não trazem nada de novo. Do lado da situação, é a continuação (ainda que com pessoas diferentes) de um longo mandato de 08 anos. Do lado da oposição é a volta de uma velha figura!
Acredito que a mudança tem que vir de fato da população. Enquanto a expressão “rouba mas faz” fazer parte do cotidiano do povo, não importa quem seja eleito, nunca haverá mudança! Virou briga de oligarquias???

5 – O descaso com artistas locais, é outro ponto. O conceito de valorização de artistas e agentes culturais em Pedra Azul está completamente ultrapassado e equivocado. Limitamos-nos (Sociedade Civil, Poder Público e Iniciativa privada) a ouvir as músicas de Paulinho Pedra Azul, Saulo Laranjeiras (grandes artistas por sinal) e agora Dani Morais e em bater palmas para o Boi-de-Janeiro e pronto, acreditamos está incentivando a cultura na cidade. Paralelo a isso, diversos artistas surgem nas periferias da cidade e se vêem obrigados a parar, devido a falta de apoio e incentivo.

Semana que vem, tem mais!

 
Deixe um comentário

Publicado por em fevereiro 15, 2012 em Uncategorized