RSS

Arquivo mensal: janeiro 2012

Juventude e Políticas Públicas: Descaso e Inércia

Resumidamente podemos caracterizar Políticas Públicas como tudo aquilo que atende as necessidades da população: Moradia, Saúde, Esporte, Cultura, Educação, Lazer, etc.. Direitos básicos garantidos pela Constituição Federal, que deveriam ser eixos norteadores em qualquer administração pública, mas que acabam muitas vezes se resumindo a meros instrumentos para ganho de votos em períodos eleitorais.

Frejat, em um dos grandes sucessos do Barão Vermelho, cantou: “Quantos dias ainda vou ter que esperar… enquanto ela (s) não chegar (em)…”. Este trecho, apesar de não ter sido escrito com esse intuito, resume bem a atual situação da juventude frente às “tão faladas” políticas públicas.

É notória (e triste) a falta de investimentos em políticas voltadas para a juventude, em nosso país. Independente de partido ou crença política temos que admitir que a criação de instrumentos para garantia dos direitos da população juvenil, nunca foram tão expressivos, como costumam ser difundido em toda campanha eleitoral.

Esta falta, somada a outros fatores, têm contribuído cada vez mais para o aumento de problemas que assolam a nossa juventude: drogas, Álcool, Doenças transmissíveis, Falta de inserção no mercado… Problemas que a sociedade, devido o conceito ultrapassado, muitas vezes atribuem “a falta de interesse” e “a irresponsabilidade” dos jovens.

Pulando para o outro lado. E nós, jovens? O que estamos fazendo diante desta situação? Simplesmente, nada. Entregues a grande máquina do Capitalismo, começamos hipocritamente a acreditar que há coisas mais importantes para se preocupar, como “o próximo capítulo de Malhação”, “a nova música do Fiuk”, “o tênis da moda”, e toda futilidade da sociedade contemporânea.

A falta de interesse pela implantação de políticas públicas, é recíproca. Enquanto os nossos administradores, “Senhores do Trono”, fingem que não vêem este descaso, nós, alienados pelo Sistema consumista e ditador, assistimos a isto tudo com uma indiferença deprimente. Resumimos a nossa responsabilidade à simples críticas, desprovidas de qualquer ação que venha mudar esta situação

A instauração de políticas públicas, unicamente a cargo e boa vontade do poder público (apesar de ser do mesmo esta responsabilidade), é uma ação quase inviável no cenário que vivemos hoje.

Portanto, a falta de participação da juventude e de toda sociedade deixa uma lacuna muito grande neste processo.

Enquanto nós brincamos de “autenticidade”, os “Senhores do Tronos” brincam de governar. Esta brincadeira, vai custando toda uma geração.

Anúncios
 
6 Comentários

Publicado por em janeiro 31, 2012 em Uncategorized

 

05 coisas de arrepiar o cabelo – Pedra Azul-MG

Bicho da Pedra Azul, mulher de 07 metros, Velha do orelhão… Durante anos, foram diversas as histórias e causos que arregalaram os olhos do povo pedraazulense. Mas além destes fenômenos sobrenaturais, outras situações contemporâneas arrepiam o cabelo de qualquer cidadão em sã consciência. Semanalmente listaremos 05 destas situações. Para bom ínicio, aqui vão as cinco primeiras:

01 – Chuva? Onde?
Diversos meios de comunicação noticiarem situação de emergência em Pedra Azul, devido aos excessos de chuvas e o número de desabrigados, e a população da própria cidade desconhecer tal situação. Um jornal traz inclusive o decreto 002/2012 da prefeitura municipal de Pedra Azul que decreta o tal estado de “Emergência”.

02 – Comendo “pedra”
O discurso desgastado de que Pedra Azul é a “Princesinha do Sertão” e isto basta. De fato, moramos em uma das cidades mais bonitas do Vale do Jequitinhonha, mas isto só não garante educação, moradia, saúde e infra-estrutura para a população.

03 – Grego ou troiano
A visão limitada da maioria da população e principalmente do poder público, que não conseguem enxergar além de duas facções políticas. Se você anuncia o descaso com a cidade, é porque você é contra o prefeito. Se exalta, é puxa-saco. Não se pode ter consciência crítica?

04 – A censura de máscara
Outro fato que espanta é a forma que as pessoas “dotadas de consciência crítica” são vistas na cidade. Ainda que disfarçada, a censura rola solta (Inclusive nas instituições de ensino), fazendo com que nos sintamos em uma nova ditadura. Os jornais impressos que circulam na cidade, para garantirem “seu pão de cada dia” se limitam a endeusar e anunciar as “benfeitorias” da Prefeitura Municipal
Será que vou ser exilado?

05 – Abrir as portas para os donos da casa é Publicidade???
Esta é a melhor de todas (ou pior). A câmara municipal recusou a proposta de transmitir as reuniões dos vereadores via Rádio Comunitária, alegando que ao abrir as portas da Câmara para a população já estão preenchendo o conceito de Publicidade dos atos públicos. Mas isso não é favor, é obrigação. Que eles de fato, usem este mesmo conceito de Publicidade em suas campanhas eleitorais deste ano!

E você o que te faz arrepiar o cabelo em nossa cidade??

 
Comentários desativados em 05 coisas de arrepiar o cabelo – Pedra Azul-MG

Publicado por em janeiro 29, 2012 em Uncategorized

 

Dois prefeitos e 21 ex-prefeitos do Vale do Jequitinhonha estão inelegíveis, diz TSE

Ex-prefeitos lideram a lista mineira dos ficha-sujas que tiveram prestações de contas reprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) nos últimos oito anos. A rejeição de contas é um dos motivos de inelegibilidade prevista na Lei Ficha Limpa, que valerá para as próximas eleições de 2012. No estado, são 575 condenações envolvendo 369 agentes públicos. A lista inclui apenas agentes públicos condenados pelo TCU por causa de irregularidades na aplicação de recursos repassados pela União.

Mais de 200 dessas pessoas são prefeitos e ex-prefeitos, muitos deles denunciados por fraudes envolvendo emendas parlamentares ao orçamento da União, que resultaram em grandes operações da Polícia Federal, como a João de Barro, deflagrada em 2006. Oito dos integrantes da lista do TCU ainda são prefeitos como o de Comercinho Rogério Rocha Rafael (PT) e Ricardo Mendes Pinto, de Pedra Azul, eleitos em 2008.. A lista também tem nomes de seis pessoas que já faleceram e de ex-funcionários dos Correios e da Caixa Econômica Federal acusados de fraudes contra as instituições públicas.

Entre os ex-prefeitos, constam da lista Antonio Ernesto Timo Silva ( Virgem da Lapa) Soelson Barbosa ( Turmalina) José Eduardo Peixoto ( Salto da Divisa) Heitel Pego (Itinga) Jairo Murta e Alice Pereira ( Felizburgo) Manoel Francisco (Almenara) José Moreira de Andrade (Rubim) Miquinho (Padre Paraíso) Lindoval Venâncio (Fronteira dos Vales) Eduardo Gobira (Jordânia) Roberto Grapiúna (Joaima).

Cabe ao TCU, de acordo com a lei das eleições, apresentar à Justiça Eleitoral até 5 de julho deste ano, a relação dos administradores que tiveram suas contas rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível do órgão competente. O Tribunal de Contas da União (TCU) não declara a inelegibilidade de responsáveis por contas julgadas irregulares. Essa competência é da Justiça Eleitoral. Ao TCU cabe apresentar a relação das pessoas que se enquadram nos requisitos legais para se candidatar.

De acordo com a Lei das Inelegibilidades ( Lei 64/1990) os que tiveram suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo judiciário, não podem se candidatar a cargos eletivos nos 8 anos seguintes, contados a partir da data da decisão.

Fonte: http://blogdojequi.blogspot.com/

 
7 Comentários

Publicado por em janeiro 9, 2012 em Uncategorized

 

Sou o Futuro do País, mas o que sou agora?

Durante séculos, a infância e juventude levam o rótulo de “o futuro do planeta”, os responsáveis por continuar “girando a velha roda do mundo”.
Mas pensemos de um lado pessimista: E se o amanhã não vier? O que seremos para mundo? Um erro de previsão do grande vidente, o capitalismo?
A juventude das décadas anteriores com certeza fizeram estas perguntas e concluíram que não podiam ficar parado diantes deste questionamentos. Desta conclusão nasceu milhares de movimentos jovens.
E a nossa geração?
Simplesmente temos aceito esta tarja e deixado que sejamos apenas uma esperança. Entregues ao grande espetáculo do capitalismo,estamos pouco a pouco perdendo a nossa identidade pessoal, cultural e política. Em contrapartida, nossos governantes esperam a chegada da “boa nova” para investir em políticas públicas para juventude. Não dá pra construir um futuro, se não temos um presente sólido.
Tenho rodado o Vale do Jequitinhonha e visto eclodir Cartas, termos de compromissos e manifestos elaborados pela juventude para cobrar dos governantes, propostas pra melhoria de vida da infância e juventude. Mas creio, que apesar de ser um grande avanço, só estes não basta. É preciso ir além.
Muito mais que propostas é preciso relembrar ao mundo nossa condição de seres humanos e cidadãos do hoje. Lembrar que não precisamos mais de definições, de tarjas, nem de rótulos, (Aos marketeiros de plantão). Nós precisamos é de liberdade de expressão (e aprendermos a usá -la também) e fazer valer os nossos direitos.
Se “O sonho acabou” é preciso evitar que aconteça isso com os nossos ideias.

 
1 comentário

Publicado por em janeiro 2, 2012 em Uncategorized

 

Rir e Pensar

 
Deixe um comentário

Publicado por em janeiro 1, 2012 em Uncategorized